sábado, 7 de dezembro de 2013

RESENHA| Garras de Grifo, de Leandro Reis

Autor: Leandro "Radrak" Reis
Editora: Idea Editora
Categoria: Literatura Nacional/Fantasia Medieval
Páginas: 320
Ano: 2012

Sinopse:Garras de Grifo é uma aventura selvagem, de sofrimento e coragem, na qual a vitória só poderá ser conquistada no fio da espada e com o sangue de heróis. As gêmeas, Alexia e Ingrid, nasceram em uma tribo localizada nas inóspitas savanas bárbaras, onde vivem guerreiros ferozes, criaturas sobrenaturais e deuses antigos. Treinadas sob a espada severa de seu pai, elas tiveram sua força e resistência forjadas no suor e na dor. Contudo, todo o treinamento não as preparou para o maior desafio de suas vidas: A ruína de seu povo, causada por ganância e traição. Essas guerreiras vagarão pelo continente, passando por aventuras épicas, conhecendo locais fantásticos e fazendo aliados improváveis, enquanto lutam pela sua sobrevivência e buscam vingar seu povo. Distante, um deus as observa. Uma força caótica, que ri ao vê-las lançando-se com fúria cega em uma batalha contra o impossível: Derrotá-lo.

Não tem como dar seis estrelas, não? É uma pena.

Esse livro é de explodir cérebros de tão bom, estou cada vez mais feliz com a literatura brasileira, que está só me dando grandiosas e proveitosas leituras. Fica até difícil dizer qual o melhor. 

Garras de Grifo passa-se no mundo de Grinmelken, um mundo que o autor criou para que se passassem seus livros - o que, por si só, já é muito massa - algumas décadas depois dos livros anteriores, que consistem a Trilogia Legado de Goldshine, mas não é extremamente necessário já ter lido a trilogia para compreendê-lo (caso queira conhecer melhor o mundo do senhor Radrak, clique aqui), embora você corra risco de saber de uns spoilers das eras passadas... Enfim, esta resenha se trata é de Garras de Grifo.
Como já deve ter dado para se perceber, as protagonistas dessa história são as gêmeas Alexia e Ingrid, bárbaras. Gêmeas. Barbaras. Oh, Deus meu, isso é muito irado! Continuando... É delicioso acompanhar o crescimento das meninas, e suas personalidades sendo formadas, reforçando a ideia de que a aparência pouco importa na construção do eu de cada gêmeo. Enquanto uma pensa, a outra é uma pedra. Mas será mesmo que é bom ser um pensador no meio de um monte de bárbaros? 

O mundo que o senhor Radrak criou tem bem mais fantasia do que poderia imaginar, com deuses que realmente correspondem diretamente a preces, deuses que demonstram de maneiras surpreendentes e inimagináveis que são seres vivos, sejam bons ou ruins, justos ou não. Isso foi uma novidade para mim, sabe, raios caindo com um pedido. Impressionante. Maravilhoso.
A história é uma completa aventura, com direito a criaturas mágicas e monstros atemorizantes, locações belas e animais falantes. As manticoras que se preparem!

E, pelos céus, como o Leandro mata cavalos.

O enredo é construído com maestria e faz com que seus olhos fiquem grudados nas páginas como se você fosse metal e o livro fosse Magneto, arrancando suspiros e gritos de raiva, acelerando seu coração e te fazendo pular pra dentro da história para empunhar uma maldita espada e dar um jeito em algum desgraçado.

Somos colocados frente a frente a personagens ricos em detalhes, cada um único. Vélius, por exemplo. Um cara engraçado, mas que passa a quilômetros de ser um alívio cômico. Sempre preciso, egocêntrico, inteligente e ousado, Vélius ajudou-me a relaxar quando sentia meus membros rígidos de tensão em grandes cenas, e era muito triste quando ele não estava presente.Pelo menos para mim. 

Ingrid também é uma ótima surpresa, com seu jeito mais macho e forte do que Alexia. Ela mata e depois questiona, ela é a fúria que torna esse livro bárbaro, assim como Alexia também o faz, ao seu próprio modo. Não tem como não sentir falta desses indivíduos incríveis.

Um livro que vai direto ao ponto, com uma história inteligente que flui sem você nem perceber, imersa numa escrita dinâmica e direta, recheada por cenários e diálogos precisos. Glorioso. Leandro Reis. Radrak. Mostrando a nós, brasileiros, que temos muitos talentos imersos num país onde apenas o degradante e imundo fazia sucesso.

Esta é a nova era. Uma era onde brasileiros de verdade estão emergindo das trevas tenebrosas que são as músicas e novelas nacionais. Essa é a minha deixa.

Até.

# Compartilhar :

2 comentários

avatar

Gostei da resenha, muito bem escrita. Deu vontade de ler esse livro, parece muito bom, pelo que você falou. É mesmo ótimo que estejam começando a surgir cada vez mais autores e obras brasileiras de fantasia (meu gênero de literatura favorito). Li recentemente um livro brasileiro também muito bom. Quando puder, dá uma olhada na resenha que fiz:
http://fantasticosmundosdepapel.blogspot.com.br/2013/12/contos-de-meigan-furia-dos-cartagos.html

Abraços

avatar

Estarei lendo agora! Que ótimo que gostou :D